Você não está logado!

Busca :  

Inscreva-se no newsletter

Viva São Paulo 456 anos, adeus às sombras do mal

ai ai ai ai que delícia que é a minha São Paulo; num feriado ensolarado suas ruas semi vazias; sua gente com preguiça ou asia; sua árvores contam a história de uma região movimentada há meio século, possui uma história dinâmica, ela não se prende em sua arquitetura, ela apenas deixa vestígios do quais somente olhando muito atentamente para perceber sua verdadeira idade; será por isso que amo São Paulo? Eela é revolucionista, comodista, modernista, pessimista, otimista, classecista, cínica, valente e contente, que mente e adora contar histórias de gente.

Ela é assim: GIGANTE, estonteante, macro, contemporânea e a frente do seu tempo, ela consegue de fato dismistificar, seja pela grande massa aglomerada, ou pela heterogeneidade do povo que a constitui, ela consegue se harmonizar e girar o turbilhão cultural do Brasil, afinal, aqui cosmopolitamente todos se reúnem; ela consegue colocar três milhões de gays nas ruas reivindicando aquilo que os nossos mais ilustres julgadores já reconhecem; posso citar Dr. Antônio Carlos Malheiros, que brilhantemente versou sobre a diversidade sexual e as novas formações familiares(afetiva), isso é filosofia social, pois reforça a idéia de família, disvincula-a do dogmatismo e a associa com a codificação da mensagem, expande o direito, sai do mundo das sombras, e vai para o mundo das idéias de Platão(mito da caverna); São Paulo consegue levar às ruas, 2(dois) milhões de neo-evangélicos(sim, pq eu sou filho de evangélicos, cuja denominação tem mais de 20 milhões de seguidores, quase 20mil temploes espalhados pelo mundo, e começou aqui, há 100 anos na cidade de São Paulo, mas eles nunca quiseram rádio, televisão, jornal ou afins, até a internet eles ainda relutam, e nunca! COBRARAM DÍZIMO, TUDO VOLUNTARIADO); essa São Paulo é o Cérebro do Brasil, e um cérebro de respeito, um cérebro com 456(quatrocentos e cinqüenta e seis) anos; ela tem a capacidade de dinamizar o tempo, as coisas. Mas assim como o Brasil, ela vem perdendo o seu maior patrimônio, aquele princípio que sempre fez de São Paulo essa potência, aquilo que lhe deu esse STATUS: A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA - DPH, a perdemos quando entramos no classecismo negativo que permeiam suas ruas do consumo, mergulhou num egoísmo sem fim, seja no: trânsito(em 2009 o índices de atropelamento cresceu assustadoramente, representando 50% das vítimas fatais no trânsito); no comércio; na cultura; ou na educação. Viramos uma ficha suja ou limpa, conforme os critérios e desígnios dos poderosos os neos barões paulistanos. No trânsito não temos DPH e cada vez matam mais, pq? Egoísmo, não respeitamos o ser humano, entramos em nossos carrinhos e carrões, fazemos carões e saimos enxergando apenas o próprio umbigo, além do quê, agora virou moda fumar seu beck, cigarrinho do capeta ou sua maconha como queiram chamar, equanto dirige carros, ou pilotam motos pelas ruas, os mano não tem coragem de assumir seus prazeres em casa, e os praticam nas ruas, expondo-se ainda mais à violência, ainda que ignorados, ignorando as leis da convivência social; falta respeito àquele que está a pé, caminhando, o que  EM TEMPOS DE SUSTENTABILIDADE MERECEM RESPEITO DOBRADO, TEM PRIORIDADE, MESMO COM O FAROL FECHADO(SUÍÇA), mas que nada! Além de não os respeitarem concedendo a prioridade, ainda os humilham. No comércio então, virou piada, todo mundo quer ser malandro, até o governo com essa nota fiscal paulista, o pior é que não são os governos que estão pagando a conta, mas a própria classe média e a classe popular que a sustenta; sim, porque o topo da pirâmide apenas se PATRIMONIALIZAM; nossa DHP virou uma ficha comandada por dois órgãos dos neos barões, um de caráter associativo, pois figura no 3º (terceiro) setor da economia-SPC, e o outro, descaradamente empresa do 2º (segundo) setor, sendo há muitos anos membro cativo do clube top 500 da bolsa de valores de São Paulo-SERASA, eles quem dizem se temos ou não direito, pois eles, embora não sendo estado, detém o maior poder de coerção no direito do cidadão, exemplo: O DIREITO DE COMPRAR E VENDER, ALÉM DE FIGURAR NO PRINCÍPIO DA SOBERÂNIA, DA CIDADANIA, DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA, ELE AINDA FIGURA NO PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL VALOR SOCIAL DO TRABALHO E DA LIVRE INICIATIVA. Existe prisão maior do que essa? A mesma que os imperialistas Americanos submetem seus opositores? Bloqueio comercial e econômico! Restringindo o outro à miséria absoluta e marginalizando-o, sem querer saber das causas ou consequências; Na cultura então... só para citar um caso, São Paulo, 456 anos, mais de 10milhões de habitantes, cultura e representação cultural fervilha pela cidade, mas onde mostrar? Como incentivar? Os poderosos esbulham nosso espaços culturais; inclusive, está insurgindo um movimento oriundo dos operadores da dança em São Paulo, porque hoje a única opção para dança é o Teatro Alfa ao custo de 150 reais o ingresso, e o teatro que poderia ser utilizado, querem gastar milhões na reforma inclusive trazendo arquitetos da Suiça e por aí a fora... como já se diz culturalmente por aqui AREBABBA! Na educação, o imperialismo capitalista reina, somos lei da oferta e da procura, e do salvem-se quem puder, afinal, alguns diplomas são verdadeiras bombas, e estamos loteando nossa educação nas bolsas de valores, várias universidades foram vendidas aos estrangeiros, a mais chocante foi a Anhembi Morumbi, tornou-se uma vergonha, o aluno não tem direito a uma bolsa para pesquisa, pois as bolsas são para os filhos de papai que praticam os esportes mais esdrúxulos, tratando-se de Brasil.

São Paulo tem seus dramas e tem também seus encantos, mas não podemos parar diante do seu pranto, o seu canto no entanto, nos convidam a dançar, dançar conforme a música que  insistem em tocar, descobriremos seus líderes e seus algozes, e unidos, resgataremos o seu galardão, cidade do bom cidadão, de todas as cores raças e amores, cidade de muitos atores, mas saberemos desvencilhar.

Feliz Aniversário São Paulo 456 anos.

Por Samuel Shael

blog comments powered by Disqus

Publicidade